Investimentos

Taxa Selic: o que você queria saber, mas tinha vergonha de perguntar

Kaio Serrate
Escrito por Kaio Serrate em 4 de maio de 2022
Taxa Selic: o que você queria saber, mas tinha vergonha de perguntar
Quero aprender mais

Assine nossa lista e receba conteúdos exclusivos

O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu hoje, dia 04/05, aumentar a taxa Selic em 1 ponto percentual. A taxa anual passou a ser de 12,75%, o maior patamar dos últimos cinco anos. A medida confirmou as expectativas do mercado.

Vamos um pouco além para entender o que isso significa.

O que é o Copom?

O Copom é um órgão do Banco Central, instituído em 1996, formado pelo presidente do BC e diretores, que tem como atribuição estabelecer a política monetária e definir a taxa básica de juros da economia, a famosa taxa Selic. As reuniões do Copom ocorrem a cada 45 dias.

Para que serve a taxa Selic?

A taxa de juros definida na reunião do Copom é, na verdade, uma meta considerada adequada para manter a inflação dentro dos parâmetros definidos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), órgão superior do Sistema Financeiro Nacional, responsável por normatizar as diretrizes das políticas monetária, creditícia e cambial do Brasil.

Quando a Selic está alta fica mais caro emprestar dinheiro, o que, em tese, diminui a quantidade de capital circulando e limita a tendência de aumento dos preços.

Juros baixos tendem a provocar o efeito contrário. O crédito fica mais barato, estimulando o investimento do setor produtivo e o consumo das famílias. Uma economia aquecida provavelmente vai aumentar a demanda por bens e serviços e, em algum momento, ocasionar uma nova pressão inflacionária.

Uma crise global, como a crise sanitária que vivemos nos últimos anos, também afeta esses movimentos e provoca consequências inesperadas.

Trocando em miúdos, a política monetária de um país é uma mistura de teoria econômica, arte e acaso. Exatamente por isso, os efeitos práticos nem sempre correspondem às expectativas dos burocratas que tomam as decisões.

Uma vez definida a taxa Selic, o Banco Central atua diariamente, por meio de operações de mercado aberto, comprando e vendendo títulos públicos federais, para manter a taxa de juros próxima ao valor definido na reunião do Copom.

A taxa Selic exerce um efeito cascata sobre a economia. Os movimentos de compra e venda de títulos da dívida pública pelo Banco Central servem como referência para os demais juros praticados pelos agentes econômicos, pois a Selic é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional. Essas operações de compra e venda executadas pelo BC são registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic). É daí que vem o nome da taxa.

E eu com isso? É hora de investir em renda fixa?

Em primeiro lugar, Selic alta significa redobrar os esforços para evitar dívidas. Mais do que nunca, fuja das dívidas!

Quando a Selic aumenta, o noticiário e os gurus financeiros não perdem tempo em alardear: “é hora de investir em renda fixa!”.

Vamos com calma, pois nem sempre é assim. A primeira coisa a ser entendida é a diferença entre juros nominais e juros reais.

Quando alguém diz que a renda fixa está pagando acima de 10% ao ano, geralmente está se referindo aos juros nominais. Os juros reais são aquilo que você efetivamente recebe, descontada a inflação do período, as taxas cobradas pelas Instituições Financeiras e o Imposto de Renda. O IR incide sobre os rendimentos dos produtos de renda fixa, ou seja, o governo não vai considerar os impactos da inflação na hora da mordida do leão para a maior parte dos investimentos.

Há momentos em que a inflação cai e os juros nominais parecem menos interessantes para o investidor. No entanto, considerando os efeitos da inflação e os custos da aplicação (taxas e IR), a remuneração poderá ser mais vantajosa em termos reais. Que fique claro, Selic alta nem sempre garante maior retorno nas aplicações de Renda Fixa. É bem comum que cenários de juros menores propiciem juros reais mais atrativos.

Quando o assunto é investimento, não é prudente ir atrás das “dicas dos especialistas” sem realizar uma análise mais criteriosa das opções disponíveis.

Ninguém cuidará melhor do seu dinheiro do que você.