Liderança

Como liderar o seu chefe

Kaio Serrate
Escrito por Kaio Serrate em 4 de setembro de 2023
Como liderar o seu chefe
Quero aprender mais

Assine nossa lista e receba conteúdos exclusivos

Quando mais jovem, já fui um profissional impetuoso que achava que para progredir na carreira precisava demonstrar que era melhor do que meus chefes. Não demorou para que eu percebesse que eu estava errado.

O melhor caminho para avançar na carreira talvez seja trabalhar pelo sucesso dos seus superiores. Veja bem, não estou falando de ser um bajulador, e sim de contribuir para que ele atinja e supere seus desafios e objetivos.

No artigo de hoje: “como liderar o seu chefe”.

Todo mundo tem um chefe

Todo mundo tem um chefe. Ainda que você seja o presidente de uma empresa de capital aberto, precisará prestar contas aos órgãos reguladores, conselheiros e acionistas. Ainda que você seja o proprietário de um negócio, precisará prestar contas aos clientes e à opinião pública.

Muitos profissionais reclamam  dos chefes, mas nunca tentaram gerir essa relação de subordinação de modo ativo.

Aumentar a eficácia do seu chefe traz benefícios significativos para sua própria carreira.

Poucas coisas contribuem mais para o seu bem-estar pessoal e para o seu sucesso profissional do que contribuir para o bem-estar e sucesso da pessoa que te lidera.

Parece óbvio quando dito, porém isso raramente é feito.

Quase nunca partimos do pressuposto de que a equipe é responsável por grande parte do desempenho individual do líder.

O líder é um ser humano

O líder é um ser humano e não uma entidade abstrata.

Um líder é uma pessoa, com seus modos de ser, defeitos e idiossincrasias.  Não me parece um esforço útil tentar reformar seu caráter, muito menos impor as mais atuais teorias surgidas na escolas de negócios. É mais proveitoso empenhar essa energia para entender como aquele indivíduo único funciona e, então criar condições propícias ao seu melhor desempenho.

Quando ainda trabalhava com inovação em um banco tradicional era comum que os profissionais mais jovens desdenhassem da visão de mundo dos gestores mais velhos. Quando isso acontecia, gostava de lembrar que aqueles gestores que pareciam obsoletos, passaram (e sobreviveram) por uma sucessão de planos econômicos frustrados e mais de uma década de hiperinflação no Brasil. Comandaram também os primeiros passos da digitalização do negócio bancário com resultados impressionantes. Alguém com essa trajetória certamente entendia um bocado sobre inovação.

O primeiro passo para gerenciar o seu chefe

Peça uma reunião formal com seu gestor, cuja pauta serão estas duas questões:

O que eu, meus pares e subordinados podemos fazer para tornar seu trabalho e sua vida mais fácil?

O que eu, meus pares e subordinados estamos fazendo atualmente que atrapalha seu trabalho e torna sua vida mais difícil?

Transforme as respostas em um plano tático e em metas concretas para todos os envolvidos.

Comece por eliminar os obstáculos, aquilo que anda dificultando a vida do seu chefe.

Outra questão fundamental: como seu chefe gosta de ser reportado?

Há líderes que não gostam de ser importunados desnecessariamente, basta que a informação relevante esteja disponível e atualizada quando ele precisar. Outros precisam de pontos de controle constantes para se sentirem seguros com o trabalho da equipe. Entenda como funciona seu chefe e crie canais de comunicação eficientes.

Atente também para a forma. Seu líder é mais visual ou prefere relatórios escritos? Entende planilhas complicadas ou precisa que alguém interprete os números e indicadores antes de apresentá-los.

O que ele precisa reportar aos seus superiores, quando isso acontece, como ele precisa apresentar as informações? Facilite essa comunicação.

Qual o grau de autonomia cada subordinado tem e em quais situações é preciso buscar o aval do líder? Essas situações estão claras? Todos têm exercido a própria autonomia de forma adequada?

Entenda as qualidades e defeitos do líder

Um líder sabe que precisa tornar relevantes os seus pontos fortes e irrelevantes os seus defeitos. O subordinado pode ajudar nesse processo.

O que o seu chefe faz bem? O que ele não sabe fazer?

Como a equipe pode apoiar, proteger e complementar os talentos do líder?

Uma relação de liderança precisa estar fundamentada na confiança. Essa relação se aprofunda quando o gestor reconhece que a equipe valoriza suas qualidades, complementa suas limitações e protege sua imagem diante de terceiros.

Por fim, saiba o que não fazer

Nunca exponha seu líder. Um dos deveres do liderado é evitar surpresas. Ser exposto a situações inesperadas que poderiam ser evitadas diminui o desempenho da equipe e pode resultar em uma humilhação pública. Um subordinado nunca fragiliza seu gestor perante a equipe e perante terceiros.

Peter Drucker cita o exemplo de dois presidentes norte americanos. Enquanto Eisenhower cobrava apenas um aviso de que as coisas poderiam resultar de forma diferente, John Kennedy exigia relatórios detalhados mesmo nas hipóteses remotas de surpresa. 

O ponto comum entre ambos ( e todos os outros gestores) é que todos precisam ser protegidos de surpresas exposições.

Outra questão importante, jamais subestime seu chefe. Um gestor pode parecer iletrado, desatualizado e até mesmo idiota, mas tenha a humildade de pressupor que é o seu julgamento que está errado.

Todo líder tem um conjunto de competências individuais que o levou até ali, sua missão é entender e potencializar esse contexto.

Trocando em miúdos, pode haver muito prejuízo em subestimar o seu chefe e nenhum em superestimá-lo. O mínimo que pode acontecer é ele se sentir lisonjeado.

***

Saber gerenciar a relação com seu superior é uma habilidade e uma responsabilidade. Não jogue tudo nas costas do líder.

Mais importante é perceber que esse é o melhor caminho para aumentar sua própria eficácia profissional.